Loading...

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Desaparecidos do RN - Bairro Planalto


Matéria veiculada no site do DN ONLINE 

TRÁFICO DE PESSOAS »CPI e polícia têm nome de suspeito de raptar crianças do Planalto


Publicação: 29/11/2012 14:22 Atualização: 29/11/2012 14:53

Do DN Online


  Novidades sobre o caso do desaparecimento de cinco crianças em      circunstâncias misteriosas num intervalo de três anos, entre 1998 e 2001, no bairro Planalto, vão ser divulgados na próxima segunda-feira (03), em audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte com a CPI do Tráfico de Pessoas do Senado Federal. De acordo com o senador Paulo Davim (PV-RN), vice-presidente da CPI, há um estrangeiro apontado como suspeito de raptar as crianças. Segundo a assessoria do senador, já se tem informações do nome do suspeito.

Moisés Alves da Silva, raptado em 1998, com 1 ano e 7 meses
Fonte imagem: Polícia Civil RN




A audiência foi proposta pelo senador potiguar para ouvir as famílias, o delegado responsável pelo caso e o secretário de segurança do estado. Na ocasião, a presidente da CPI do Tráfico de Pessoas, Vanessa Graziotini (PCdoB-AM), estará presente na audiência, além da senadora Lídice da Mata, também integrante da Comissão.
Joseane Pereira dos Santos, raptada em 1999, com 8 anos
Fonte imagem: Polícia Civil do RN


Envolto em mistério, o caso do desaparecimento das crianças do Planalto desafia as autoridades policiais do Rio Grande do Norte. Entre novembro de 1998 e dezembro de 2001, as cinco crianças (Moisés Alves da Silva, raptado em 1998, com 1 ano e 7 meses; Joseane Pereira dos Santos, raptada em 1999, com 8 anos; Yuri Tomé Ribeiro, raptado em 2000, com 2 anos; Gilson Enedino da Silva, raptado em 2000, com 2 anos e Marília da Silva Gomes, raptada em 2001, com 2 anos) foram raptadas sob as mesmas condições: à noite e enquanto dormiam.
Marília da Silva Gomes, raptada em 2001, com 2 anos
fonte imagem: http://www.policiacivil.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/sesed_nip/utilidades/gerados/desaparecidosrn.asp




Com exceção de Joseane Pereira dos Santos, 8 anos, que dormia na casa da vizinha, as outras crianças sumiram de suas respectivas moradias sem deixar rastro. Pistas falsas foram enviadas aos familiares e supostos envolvidos com os desaparecimentos ouvidos pela polícia, porém, ao que tudo indica, nada ajudou a desvendar os raptos, que continuam sem solução.



TRÁFICO DE PESSOAS




Yuri Tomé Ribeiro, raptado em 2000, com 2 anos
último da lista


Durante outra audiência da CPI do Tráfico de Pessoas realizada em maio deste ano na Assembleia Legislativa do RN, a promotora de Justiça Fernanda Arenhant, que representou o Ministério Público, falou sobre o desaparecimento das cinco crianças do bairro Planalto e levantou a hipótese do crime ter relação com o tráfico de pessoas. “Até hoje não há esclarecimento sobre as circunstâncias em que essas crianças desapareceram. Esse tema é pouco discutido, pouco conhecido, especialmente o tráfico interno. Muitas pessoas acham que esse crime se resume a exploração sexual e prática da prostituição."

Gilson Enedino da Silva, raptado em 2000, com 2 anos
Fonte imagem: Polícia Civil RN


A presidente da ONG Resposta, Ana Paula Felizardo também falou sobre o caso das crianças do Planalto e pediu que a CPI encaminhasse o caso à Polícia Federal. “É preciso uma força tarefa. Peço que as mães e familiares dessas crianças transforme o luto em luta e ajudem nas investigações”, declarou. O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho comentou o caso e colocou a equipe do Ministério à disposição da CPI para eventuais contribuições. “Um dos casos mais estarrecedores e que nos entristece é o dessas cinco crianças, que até hoje não há noticia nem delas e nem dos criminosos. Que a capacidade de se indignar se transforme na capacidade de atuar”, declarou.


Crime e descaso??? 14 anos de sofrimento para essas famílias. Será que está chegando ao fim? Que a justiça não seja mais uma vez ineficiente ao desvendar esse mistério. O sofrimento dessas famílias, principalmente das mães não pode ser dimensionado. Somente elas sabem a dor, imensa dor, que isso provoca em suas vidas. Ter um filho doente, um filho que falece, nem isso pode ser comparado ao fato de não sabermos onde estão nossos filhos, a que tipo de tortura, sofrimento, maus tratos estão submetidos. Essas mães têm o direito de saber o que aconteceu com seus filhos e a justiça tem a obrigação de lhes dá essa resposta.

No Novo Jornal uma entrevista com a possível responsável pelos desaparecimentos, nada de concreto. Especula-se que um estrangeiro, ou um casal de brasileiros, ou uns missionários, seriam os culpados... quem realmente levou essas crianças? O mistério permanece e a dor das mães dessas crianças também. Alguém pode se colocar um minuto no lugar delas????